in

Gestão financeira para pagamento de plantões médicos

Veja como calcular e realizar o pagamento de plantões aos seus colaboradores.

pagamento de plantões médicos

Tão importante quanto cuidar da vida de seus pacientes é cuidar da saúde financeira da sua instituição de saúde. Afinal, dentre os diversos setores responsáveis por manter o bom funcionamento do hospital, o financeiro tem o papel de movimentar toda a estrutura, bem como de garantir o sucesso financeiro desta, inclusive o pagamento de plantões médicos.

A gestão financeira deve, portanto, ser realizada de forma metódica e exige quase tanto perfeccionismo quanto um cirurgião envolvido em um procedimento de alto risco para seu paciente. A diferença é que, o grande risco em jogo é a longevidade da sua instituição de saúde.

Para manter o fluxo de caixa da sua instituição de saúde girando, portanto, bem como o contínuo atendimento ao público, é importante garantir um gerenciamento financeiro eficiente e um dos grandes desafios, neste sentido, para os hospitais e clínicas, é o pagamento dos médicos plantonistas. A seguir, descubra como realizar uma gestão financeira para pagamento de plantões médicos, de modo seguro e eficaz:

Mas afinal, o que é e como funcionam os plantões médicos?

Os plantões médicos são regimes de trabalho que garantem pronto-atendimento aos pacientes. Eles são essenciais nos atendimentos de urgência e emergência, bem como em instituições de saúde que precisam prestar assistência contínua aos internados.

pagamento de plantões médicos

Em suma, a jornada de trabalho de um médico plantonista, segundo o que está previsto no Conselho Federal de Medicina, não pode ultrapassar 24 horas consecutivas, de forma a preservar a saúde dos profissionais e dos pacientes que estiverem sob seus cuidados.

Portanto, para calcular o valor a ser pago para os médicos plantonistas, é necessário dividir o salário-base mensal por um divisor específico, que são: 44 horas: 220; 42 horas: 210; 40 horas: 200; 36 horas: 180; 35 horas: 175; 30 horas: 150; 25 horas: 125; 24 horas: 120; 20 horas: 100; e 12 horas: 60. Por exemplo, uma jornada de 24 horas por semana, divide-se o salário por 120. O resultado é o valor da hora normal. Para calcular a hora extra deve-se multiplicar o resultado por dois.

Como fazer a gestão financeira para pagamento de plantões médicos na sua instituição de saúde:

1 – Registre o fluxo de caixa

Em suma, todas as empresas precisam registrar devidamente o seu fluxo de caixa, até mesmo as instituições de saúde. Afinal, o profissional responsável pela administração financeira precisa dedicar cuidados especiais aos gastos que a clínica possui, por exemplo, com estrutura e pessoal. É fundamental registrar todas as movimentações financeiras do negócio, mesmo as pequenas despesas do dia a dia, que geralmente são desconsideradas.

2 – Use a tecnologia ao seu favor

Os recursos de tecnologia para o setor da saúde costumam atrair o interesse humano e trazer praticidade. Um software de gestão financeira pode proporcionar, por exemplo, inúmeros benefícios, como facilidade no acesso a informações para os médicos e também para os pacientes, além de maximizar a produtividade do seu time e garantir a eficiência dos relatórios financeiros.. 

3- Acompanhe e atualize constantemente as escalas de trabalho do seu time

Para que se cumpra o acordo estipulado entre médico e hospital e para garantir que os pagamentos estão sendo realizados de modo justificado ao corpo médico, é importante garantir o registro e o cuidado de gestão das escalas médicas. A plataforma Escala, por exemplo, além de auxiliar na criação e manutenção das escalas, também oferece o recurso de check in que afirmará se o médico trabalhou ou não em determinado plantão.

4 – Separe contas a pagar e a receber

Outro método de gestão financeira eficiente é a separação das contas a pagar e a receber em diferentes planilhas de controle. Essa prática permitirá que você enxergue quais são os custos mais altos da clínica e se eles são supérfluos. Daí então, será possível diminuir essas despesas. Eventuais atrasos em pagamentos também poderão ser identificados com mais rapidez. O setor de cobranças terá mais tempo para agir e diminuir a inadimplência, evitando surpresas para a saúde financeira da clínica.

5 – Planeje

Mais essencial do que o próprio processo de controle e gestão de escalas médicas, é o planejamento prévio destas. Afinal, além de possibilitar uma previsão de quanto será gasto com o pagamento de médicos plantonistas, você também garantirá maior eficiência no setor de pronto atendimento e controlará possíveis indícios de absenteísmo. 

A tecnologia como principal facilitador de processos no setor hospitalar

Acompanhar as horas trabalhadas nos plantões é um verdadeiro desafio: há diferentes profissionais envolvidos, diferentes turnos, trocas entre os profissionais são feitas e demais situações. Diante desse cenário, cabe ao gestor médico calcular horas trabalhadas e fazer um controle preciso das jornadas.

A solução desenvolvida pelo Escala tem provado, com excelentes cases de sucesso, que criar e gerenciar escalas de plantões por meio de uma interface web e aplicativo móvel, além de melhorar processos, sustentava a satisfação da equipe de profissionais da saúde.

Ficou curioso e gostaria de conhecer a plataforma?  Acesse o nosso site e faça um teste gratuito no Escala Plantões.

Avatar

Postado por Raphael Tavares

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
escala 6x1

Escala 6×1: como funciona e como implementar

conformidades trabalhistas

Compliance: os 9 pilares das conformidades trabalhistas