in

5 benefícios da gestão de escalas para o seu hospital

Entenda a importância de se investir em tecnologia para a gestão de escalas e descubra os principais benefícios para a sua instituição de saúde

Escala Plantões

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declara os hospitais como partes integrantes de um sistema coordenado de saúde que deve prestar à comunidade e às famílias completa assistência preventiva e curativa, podendo também constituir-se em centros de pesquisas e de formação aos profissionais da área da saúde.

Para que tais objetivos sejam alcançados de modo eficaz, no entanto, é necessária uma gestão ativa e que acompanhe de perto o quadro de colaboradores e processos burocráticos do hospital. 

Os pontos de atenção são principalmente:

  • Excesso ou falta de profissionais suficientes para atender a demanda;
  • Falha na gestão de escalas e jornadas de trabalho;
  • Falta de registro de pontos e cumprimento de horários de acordo com o determinado pela CLT.

O Escala Plantões, no entanto, oferece uma solução eficiente para a problemática, por meio de uma plataforma em nuvem de altíssima tecnologia.

Conheça a seguir os principais benefícios de investir numa plataforma para gestão de escalas no seu hospital.

1. Evitar processos trabalhistas;

O Brasil é o país com o maior número de processos trabalhistas do mundo – são 3,9 milhões de novos casos por ano – e ainda assim, são inúmeros os hospitais que, ao deixar de estruturar suas escalas de trabalho e dados dos colaboradores, contribuem indiretamente para isto. Dentre as principais causas de ações trabalhistas em nosso país estão:

  • Cobrança de verbas rescisórias: o prazo de pagamento das verbas rescisórias deve acontecer até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato ou até o 10º dia, contado da data de notificação da demissão, quando da ausência de aviso prévio, indenização ou dispensa de seu cumprimento.
  • Pagamento de horas extras: A sobrecarga de colaboradores e a falta de registro de ponto para controle do número de horas extras realizadas e o valor a ser pago por elas, podem ocasionar problemas para o hospital.
  • Adicional de atividades consideradas insalubres: Funções que expõem o colaborador a agentes nocivos à saúde, acima dos limites tolerados, devem receber adicional de insalubridade sobre o salário, podendo variar entre 10% para graus mínimos e até 40% para o grau máximo de insalubridade. Os hospitais devem estar atentos e seguir o que rege a legislação para evitar problemas.
  • Recolhimento de FGTS: O FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) é um direito fundamental dos trabalhadores e as empresas, em geral, têm a obrigação legal de realizar o depósito em conta bancária vinculada, da importância correspondente a 8% da remuneração paga ou devida, no mês anterior, a cada colaborador. A empresa que não efetuar esse depósito mensal nas condições estabelecidas por lei está sujeita às penalidades previstas na legislação.

Assim, por meio de uma gestão eficaz de escalas, é possível evitar processos trabalhistas.

2. Controle de faltas – absenteísmo;

Hospitais com grandes números de funcionários e diferentes opções de turnos e jornadas de trabalho costumam, em sua maioria, sofrer com a ausência não programada dos colaboradores: faltas, atrasos ou saídas antecipadas. 

Este grande problema, conhecido como absenteísmo, gera prejuízos que vão além da mera queda de produtividade. Segundo estudo divulgado pela Circadian, o excesso de faltas não previstas, custa para o empregador US$ 2660 por colaborador por ano, nos Estados Unidos, o que corresponde a um total de US$ 266 mil por ano para uma empresa com 100 pessoas, por exemplo. As faltas, ainda de acordo com a pesquisa, são divididas entre:

  • Doenças dos colaboradores, 30%
  • Questões pessoais, 27%
  • Assuntos familiares, 20%
  • Estresse, 12%
  • Mentalidade de direito (pessoa se considera no direito de faltar), 12%

Gerenciar as faltas, portanto, além de extremamente necessário, ajuda a manter as finanças e a gestão do time no caminho certo.

3. Controle de horas extras;

Embora a prática de horas extras, auxilie, na maioria dos casos, no ganho de produtividade e provoque a melhora de desempenho do colaborador que opta por ela, o excesso de horas trabalhadas prejudica as finanças do hospital e pode oferecer um risco para todos (inclusive jurídico), como:

  • Perda de qualidade no relacionamento com colegas de equipe: sobrecargas de trabalho, ainda que por iniciativa própria do colaborador, costumam gerar ansiedade, intolerância e insatisfação profissional e pessoal, o que afeta o convívio com outras pessoas.
  • Postergação ou procrastinação de atividades: as horas extras podem representar um ganho de produtividade do colaborador que pretende produzir mais e alcançar maiores resultados, mas também uma procrastinação de tarefas que ele não consegue ou não realiza durante o período normal de trabalho.
  • Entrega de atividades com níveis baixos de excelência: outro ponto decorrente do aumento da carga de trabalho é a queda na qualidade das funções exercidas, o que, para um hospital, é considerado grave. Lidar com vidas num movimento de excesso de horas extras, pode gerar falhas médicas e, por consequência, problemas maiores. 

4. Maior agilidade no planejamento e controle de escalas;

Quantas horas você costuma utilizar para organizar as inúmeras planilhas de horas da equipe? Com a automatização deste processo por meio de uma plataforma em nuvem, você elimina a burocracia e torna a gestão mais simples por meio de: 

  • Planejamento da escala via aplicativo: o Escala possibilita um planejamento rápido e eficaz das escalas e jornadas de trabalho dos colaboradores, por meio de uma interface desktop interativa, assim não dependerá mais de planilhas pesadas e de um único computador para desempenhar sua função; 
  • A notificação chega para todos em segundos: todos os colaboradores são avisados de uma única vez via aplicativo mobile e e-mail, logo que o organizador compartilha a escala, o que evita o desvio de informações e centraliza a comunicação;
  • A negociação de trocas é feita de modo mais prático: as trocas são sugeridas pela equipe segundos após a divulgação da escala e o organizador pode aceitar ou vetar, sem posteriores dores de cabeça;

5. Evitar turnover.

O turnover mede a rotatividade dos funcionários, relacionando a quantidade de demissões e de admissões em determinado período. 

Um hospital que registra altos índices de turnover começa a enfrentar diversos problemas em relação à sua imagem e qualidade de processos. 

As principais causas do turnover no setor hospitalar são:

  • Desgaste físico e psicológico dos funcionários;
  • Tratamento diferenciado;
  • Cultura organizacional tóxica;
  • Conflitos com a gestão;
  • Falta de oportunidades para o crescimento profissional;
  • Falta de transparência na gestão de escalas;
  • Falta de reconhecimento pelo trabalho realizado.

Conclusão

A tecnologia chegou para ficar e permitir a sua entrada no setor hospitalar, além de protagonizar uma modernização necessária, irá auxiliar na economia, manutenção e gestão de profissionais da saúde; extremamente necessários para a sociedade. 
Ficou curioso e gostaria de testar gratuitamente a solução Escala Plantões? Acesse o nosso site e faça o seu cadastro.

Postado por Raphael Tavares

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Escala Jornadas

Escala Jornadas: a plataforma ideal para a gestão de jornadas CLT do seu negócio

Jornadas CLT

Quais são os tipos de jornadas de trabalho permitidos pela CLT?